Rondônia, Hoje é

Delegacias de Cujubim e mais de 07 municípios de Rondônia poderão ser fechadas nos próximos meses aponta documento

Postado Dia outubro 10th, 2019


A Comissão de Segurança Pública se reuniu na manhã desta terça-feira (01), no Plenarinho 01, sob a presidência do deputado Anderson Pereira (Pros), com as presenças dos deputados Cabo Jhony Paixão (Republicanos) e Eyder Brasil (PSL). Em pauta, novamente a discussão sobre o possível fechamento de delegacias de Polícia Civil em diversos municípios de Rondônia.

O presidente Anderson Pereira informou que teve acesso a um estudo, dirigido pela Direção Geral de Polícia Civil (DGPC), com a previsão de fechamento de delegacias, em razão do baixo efetivo que a Polícia Civil atravessa atualmente.

“Já está praticamente definido o fechamento da delegacia do distrito de Nova Mutum Paraná, para não fechar a delegacia do distrito de Extrema de Rondônia. O projeto abrange ainda o possível fechamento das delegacias de Urupá, Cujubim, Monte Negro, Alto Paraíso, Seringueiras, Itapuã do Oeste, Nova Mutum e Mirante da Serra“, informou o deputado Anderson.

De acordo com Pereira, “se isso for confirmado, vai prejudicar mais ainda a população, que precisará se deslocar até outro município, para registrar um boletim de ocorrências. O Estado cresce e a segurança pública fica para trás. É preciso rever essa decisão, reforçando o efetivo da Polícia Civil”.

O parlamentar disse ainda que há um pedido de estudo para a realização de um concurso para a PC, mas ainda sequer tem previsão de encaminhar o pedido para a Mesa Permanente de Negociações (MENP). “A população reclama que buscar as delegacias, não encontra delegados, agentes e serviços. Cobramos o funcionamento da Delegacia da Mulher 24 horas e não tem efetivo para isso”, observou.

População

Eyder Brasil disse que a população tem cobrado reforço na segurança e ponderou que o Governo é sensível ao problema. “Vamos seguir buscando fazer um trabalho para melhorar a segurança pública”.

Cabo Jhony afirmou que o profissional de segurança pública, mesmo após a aprovação em concurso público, não está preparado ainda para a função, necessitando um curso de formação específico. “Ou seja, leva tempo para esse profissional ser aprovado e capacitado para estar na rua. E isso requer uma programação maior e uma resposta rápida para essa necessidade”, detalhou.

Anderson Pereira registrou que, mesmo com baixo efetivo e sem as condições ideais de trabalho, os policiais civis têm atuado em operações que culminam com a apreensão de drogas, armas, munições, recuperação de veículos furtados, prisões e outras ações. “É muito mais graças ao empenho dos servidores da Polícia Civil que os esses sucessos nas operações ocorrem”.

FONTE: ALERTA RONDONIA

.

banner 2pe